HERPES GENITAL - Além do básico


O herpes genital é uma infecção comum por vírus sexualmente transmissíveis encontrada em todo o mundo. A maioria dessas infecções genitais é causada pelo vírus herpes simples-2 (HSV-2), mas o vírus herpes simplex-1 (HSV-1) também produz uma doença clinicamente semelhante, e a incidência de doença genital do HSV-1 está aumentando.

●Pacientes com um primeiro episódio de HSV genital podem ter infecção clínica primária ou não primária. Um surto de HSV é definido como "primário" se o paciente fosse soronegativo para HSV-1 e HSV-2 antes do episódio de lesões genitais. Um primeiro episódio não primário da infecção refere-se tipicamente à infecção por HSV-2 em uma pessoa com imunidade pré-existente ao HSV-1. Os sinais e sintomas de infecção não primária tendem a ser menos graves.

●Para a maioria dos pacientes que experimentam um primeiro episódio de HSV genital, recomendamos terapia antiviral. A única exceção pode ser pacientes com infecção não primária que apresentam apenas sintomas leves após vários dias. A terapia antiviral diminui a duração e a gravidade da doença por dias a semanas, com efeitos adversos mínimos e reduz o desenvolvimento de novas lesões. Idealmente, o tratamento deve ser iniciado dentro de 72 horas após a apresentação da lesão.

•A maioria dos pacientes pode ser tratada com terapia oral.

•A terapia parenteral deve ser reservada para pacientes com manifestações clínicas graves / complicações (por exemplo, envolvimento do nervo sacro que leva à retenção urinária, meningite). A dose final de aciclovir intravenoso e a duração específica da terapia devem ser adaptadas individualmente ao contexto clínico específico. (Veja 'Consideração na infecção complicada' acima.)

●A abordagem do tratamento da infecção genital recorrente deve ser determinada caso a caso, uma vez que a preferência do paciente deve ser fortemente considerada nesta decisão.

•Em geral, sugerimos a terapia supressiva crônica :

-Aqueles com recorrências graves ou frequentes (ou seja, seis ou mais por ano)

-Pacientes imunocompetentes que desejam reduzir o risco de transmissão do HSV a um parceiro sexual não infectado

•Pacientes com recorrências menos graves ou freqüentes e aqueles que não são sexualmente ativos podem razoavelmente preferir a terapia episódica (terapia antiviral para surtos individuais iniciada no primeiro sinal de sintomas prodrômicos) ou nenhuma terapia. (Veja 'Terapia Episódica' acima.)

●Não há nenhum papel para a terapia antiviral tópica no tratamento do herpes genital, uma vez que a terapia tópica é apenas de benefício marginal, e não parece haver qualquer vantagem em adicionar terapia tópica aos agentes orais.

●Pacientes com HIV podem ter episódios prolongados ou graves de herpes genital e estão em maior risco de desenvolver HSV resistente a medicamentos em comparação com os hospedeiros imunocompetentes. O tratamento do herpes genital em pacientes com HIV é revisto em detalhes em outros lugares.

FONTE: UPTODATE 2019


215 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Alerta azul

Alerta Azul Por Dr. Edson Henrique G. Nascimento, médico Urologista e do transplante renal. Após as discussões sobre o câncer de mama e a saúde da mulher no Outubro Rosa, novembro abre espaço para a p