Câncer Renal

Os rins são responsáveis pelo equilíbrio dos sais e da água no corpo e são compostos por milhares de pequenas estruturas chamadas néfrons. O tipo mais comum de câncer neste órgão, atinge estes néfrons causando uma transformação na célula fazendo com que elas se proliferem de forma anormal e invadam o órgão, podendo se espalhar pelo corpo, produzindo tumores em outras partes, conhecido como metástase. Os primeiros sintomas são sangue na urina, dores na lombar e no abdome. Normalmente são descobertos na fase inicial ainda, o que aumenta a probabilidade de cura.

. O QUE É?

O Carcinoma de células renais, corresponde a cerca de 90% dos cânceres renais e geralmente nasce como um tumor único, dentro de um rim. Mas em alguns casos, ele pode se desenvolver nos dois simultaneamente. Essa doença acomete normalmente pessoas de 50 a 70 anos, sendo a maioria homens.

. DIAGNÓSTICO

A forma mais comum de diagnóstico são os achados ocasionalmente em exames de rotina, como ultrassonografias do abdômen. Após essa prévia, são solicitados exames definitivos da doença, ultrassonografia e tomografia computadorizada. 

A tomografia é muito importante pois além de localizar o tumor no rim, pode auxiliar na verificação da extensão do câncer para outros órgãos.

. TRATAMENTO

- NEFRECTOMIA RADICAL

 

 nefrectomia é a principal forma de remoção definitiva do câncer no rim. 

É retirada o órgão, a glândula adrenal, todo seu revestimento e os linfonodos da região. É constantemente usada em tumores com menos de 4cm, mas não isenta a possibilidade de retirar tumores maiores. 

Este procedimento, na maioria dos casos pode ser feito por videolaparoscopia, que são feitos três ou quatro orifícios na parede abdominal através dos quais são realizados os processos cirúrgicos com o auxilio de uma câmera. 

A operação necessita de anestesia geral e dura cerca de duas horas.

- NEFRECTOMIA PARCIAL

A Nefrectomia parcial, é o processo cirúrgico que remove o tumor, sem a retirada completa do rim. 

O procedimento é o mesmo que o da nefrectomia radical, por videolaparoscopia, fazendo apenas três ou quatro incisões e retirando apenas o pedaço do rim que está com o tumor sem danificar ou comprometer o restante. 

Esta opção serve apenas para casos que não há necessidade de remover o rim de maneira completa. Ou seja para casos iniciais, com tumores únicos de 4 a 7cm de diâmetro 

É uma alternativa excelente por ser minimamente invasiva para o tratamento renal..

- CRIOABLAÇÃO

O procedimento de crioablação, consiste em aplicar ciclos de congelamento e descongelamentos sucessivos dos tecidos neoplásticos, através de agulhas específicas, chamadas de crioprobes, que são inseridas dentro do tumor, atingindo temperaturas de até -40°C para destruí-los devido a ruptura das membranas da célula. 

A destruição das células cancerígenas ocorre quando são destruídas as proteínas, e, após a desorganização das membranas, elas explodem, como consequência da variação da temperatura. 

É necessário anestesia geral, porém a recuperação é muito rápida e o paciente pode ser liberado no mesmo dia.

Oliveira -   Rua José Pinto de Carvalho - 155 - Centro

Belo Horizonte - Hosp. Vera Cruz - R. Aimorés 3000